Está a ser construído em Aveiro um empreendimento com 164 apartamentos… junto ao mar

 Localizado na zona nobre da praia da Barra, em Aveiro, o empreendimento DOCA “marca uma nova era na oferta imobiliária local”, explica a promotora Civilria, que investiu 25 milhões de euros neste projeto.

O conjunto residencial é constituído por nove edifícios, num total de 164 apartamentos de tipologias T1, T2 e T3 duplex, com áreas que vão dos 85 aos 250 metros quadrados (m2). Os preços de venda variam entre 145.000 e 380.000 euros.

“Com uma localização única, entre a praia e o mar, o empreendimento DOCA beneficia das longas praias de areia branca e dos vários quilómetros de passadiços que caraterizam esta zona da costa portuguesa”, refere a empresa em comunicado, destacando a “linguagem contemporânea” da arquitetura e os “acabamentos de qualidade dos edifícios”.

Atualmente está em fase de conclusão o segundo edifício, estando o terceiro a ser construído. “Os apartamentos apresentam generosos terraços, uma luminosidade única em todas as tipologias e uma perfeita combinação entre os materiais de elevada qualidade, inovação tecnológica e o design inteligente, sem contudo perder o foco na beleza e simplicidade”, lê-se no documento.

O primeiro edifício, constituído por 30 frações, já está totalmente comercializado enquanto no segundo só falta vender três frações. O terceiro edifício também já tem algumas frações vendidas.

O DOCA tem um investimento total de 25 milhões de euros, que inclui as diferentes fases e também a parte destinada à requalificação integral da Avenida Fernão de Magalhães, que liga o empreendimento à Praia da Barra, explica a Civilria, adiantando que está a dotar esta via de “um novo perfil, onde se destaca a construção de ciclovias, passeios largos, estacionamento e zonas verdes”.

 

Aposta forte na sustentabilidade

Apostando forte na eficiência e na sustentabilidade, “o DOCA é o primeiro empreendimento multifamiliar Passive House – conceito desenvolvido em parceria com a Universidade de Aveiro –, marcando uma nova era: tem uma elevada eficiência energética e de conforto, poupando cerca de 75% de energia”, revela a promotora.

“A obtenção da certificação Passive House passou por um processo minucioso de detalhes construtivos (…), num empenho contínuo e de aproximações sucessivas até à verificação final, para conseguir a tão desejada certificação”, diz Artur Varum, CEO da Civilria.

 

in IDEALISTA 5 DEZ 2018

Clique para vêr em PDF

Facebook Comments